Teu cheiro amarfanho durante toda a cidade
e nos dentes postos sobre a mesa
como um escapulário tua lascívia eu pressinto.
Nem a lua nem teus olhos certamente me salvarão deste teu cheiro espesso.
Eu cresci nestas estranhas paragens sem estrelas entre bichos e flores
como se não fossem cobertos pela escuridão.
Apenas arfava um golpe entre o vazio de mim
e a captura de insetos do inferno em teus cabelos.
Em inquietude, me preparo para a dor.

Nelson Magalhães Filho

"Não sou nada.
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
À parte isso, tenho em mim todos os sonhos

do mundo."
( Fernando Pessoa: Tabacaria)




Realizar trabalhos de arte a base das experiências existenciais, como transpor as imensidões dolorosas das noites urinadas. Fingir figuras concebidas do desejo e da amargura. Instigações obscurecidas pela lua. Não acretido na pintura agradável. Há algum tempo meu trabalho é como um lugar em que não se pode viver. Uma pintura inóspita e ao mesmo tempo infectada de frinchas para deixar passar as forças e os ratos. Cada vez mais ermo, vou minando a mesma terra carregada de rastros e indícios ásperos dentro de mim, para que as imagens sejam vislumbradas não apenas como um invólucro remoto de tristezas, mas também como excrementos de nosso tempo. Voltar a ser criança ou para um hospital psiquiátrico, tanto faz se meu estômago dói. Ainda não matem os porcos. A pintura precisa estar escarpada no ponto mais afastado desse curral sinistro.
Nelson Magalhães Filho

terça-feira, abril 24, 2007

EXPOSIÇÃO DO ARTISTA PLÁSTICO NEI ALVES NO CULTART-UFS










O Centro de Cultura e Arte da Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários da Universidade Federal de Sergipe, através da Divisão de Artes Visuais, promove a exposição CONOTATIVO/DENOTATIVO – linhas de criação -, composta por quatro instalações (UMBILICAL, FITAS, AGUADA e CONTEMPORÂNEO/MODERNO) do artista plástico Nei Alves, formado pela Escola de Belas Artes da Universidade Federal da Bahia, na Galeria de Arte “Florival Santos”, Av. Ivo do Prado, nº. 612, teve abertura no dia 13 de abril de 2007, e visitação até 30 de abril. O artista apresenta o resultado de investigações sobre a linha na criação de um diálogo com a origem, a cultura, as influências e a memória na formação do indivíduo.

Um comentário:

Virginia Deodato disse...

Bom encontrar um artista com sua audacia! Parabens, continue ousando!