Teu cheiro amarfanho durante toda a cidade
e nos dentes postos sobre a mesa
como um escapulário tua lascívia eu pressinto.
Nem a lua nem teus olhos certamente me salvarão deste teu cheiro espesso.
Eu cresci nestas estranhas paragens sem estrelas entre bichos e flores
como se não fossem cobertos pela escuridão.
Apenas arfava um golpe entre o vazio de mim
e a captura de insetos do inferno em teus cabelos.
Em inquietude, me preparo para a dor.

Nelson Magalhães Filho

"Não sou nada.
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
À parte isso, tenho em mim todos os sonhos

do mundo."
( Fernando Pessoa: Tabacaria)




Realizar trabalhos de arte a base das experiências existenciais, como transpor as imensidões dolorosas das noites urinadas. Fingir figuras concebidas do desejo e da amargura. Instigações obscurecidas pela lua. Não acretido na pintura agradável. Há algum tempo meu trabalho é como um lugar em que não se pode viver. Uma pintura inóspita e ao mesmo tempo infectada de frinchas para deixar passar as forças e os ratos. Cada vez mais ermo, vou minando a mesma terra carregada de rastros e indícios ásperos dentro de mim, para que as imagens sejam vislumbradas não apenas como um invólucro remoto de tristezas, mas também como excrementos de nosso tempo. Voltar a ser criança ou para um hospital psiquiátrico, tanto faz se meu estômago dói. Ainda não matem os porcos. A pintura precisa estar escarpada no ponto mais afastado desse curral sinistro.
Nelson Magalhães Filho

sábado, novembro 03, 2007

Patti Smith "Elegie" at CBGB October 15, 2006

5 comentários:

Ruela disse...

great rocker!

Antonio Dias disse...

Pelo visto em todos os blogs ocorre o mesmo fenômeno: os "amigos" propõem e conseguem do "autor" a auto-enganação. Cuidado! Literatura mesmo têm que conseguir leitores espontâneos e não bajulação pura e simples.

Nelson Magalhães Filho disse...

Caro Antonio Dias, obrigado por tua visita, e valeu o conselho. Um grande abraço.

KARLA JACOBINA disse...

Olá Nelson

Vc viu por aí uma mulher P, mais P, mais P da vida com um tal de zé galinha?

Veja o FUZUÊ que está rolando no FALÓPIO.

http://versosdefalopio.blogspot.com
Beijos!

Rafildo disse...

Olá Nelson,

Sou amigo de Wladimir Cazé, baiano em São Paulo, estudante de Letras na USP.

Aqui na faculdade, tem um professor - que também é escritor - interessado em pesquisar, e consequentemente divulgar entre alunos, professores e demais interessados, a literatura contemporânea brasileira a partir da produção de cada Estado. O nome dele é Antonio Vicente Pietroforte (vocês podem ver o seu currículo no Lattes: http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/index.jsp).

Sabendo de minha origem, ele perguntou se eu não conhecia escritores baianos contemporâneos, se eu não gostaria de ajudá-lo a fazer um levantamento dos mais recentes acontecimentos literários da Bahia (ele já havia feito incursões pelo Recife, por Mato-Grosso e por São Paulo). Disse que sim e que conhecia Wlad; este último me passou o seu blog.

Gostaria de saber se você poderia nos enviar exemplares dos seus escritos para que pudéssemos dar início a esse trabalho. Antonio Vicente (o prof.) vive dando palestras e participando de discussões sobre a produção literária contemporânea e seus textos certamente enriqueceriam o repertório que ele leva para esses eventos.

Você pode enviar o material para:

Rua Turiassu 1187 ap14 Perdizes São Paulo CEP : 05005-001.

Se tiver mais algum escritor daí que você possa me indicar...

Abraços e obrigado,
Rafael
vitorrafael@yahoo.com