Teu cheiro amarfanho durante toda a cidade
e nos dentes postos sobre a mesa
como um escapulário tua lascívia eu pressinto.
Nem a lua nem teus olhos certamente me salvarão deste teu cheiro espesso.
Eu cresci nestas estranhas paragens sem estrelas entre bichos e flores
como se não fossem cobertos pela escuridão.
Apenas arfava um golpe entre o vazio de mim
e a captura de insetos do inferno em teus cabelos.
Em inquietude, me preparo para a dor.

Nelson Magalhães Filho

"Não sou nada.
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
À parte isso, tenho em mim todos os sonhos

do mundo."
( Fernando Pessoa: Tabacaria)




Realizar trabalhos de arte a base das experiências existenciais, como transpor as imensidões dolorosas das noites urinadas. Fingir figuras concebidas do desejo e da amargura. Instigações obscurecidas pela lua. Não acretido na pintura agradável. Há algum tempo meu trabalho é como um lugar em que não se pode viver. Uma pintura inóspita e ao mesmo tempo infectada de frinchas para deixar passar as forças e os ratos. Cada vez mais ermo, vou minando a mesma terra carregada de rastros e indícios ásperos dentro de mim, para que as imagens sejam vislumbradas não apenas como um invólucro remoto de tristezas, mas também como excrementos de nosso tempo. Voltar a ser criança ou para um hospital psiquiátrico, tanto faz se meu estômago dói. Ainda não matem os porcos. A pintura precisa estar escarpada no ponto mais afastado desse curral sinistro.
Nelson Magalhães Filho

quarta-feira, agosto 15, 2007

Nelson Magalhães Filho. ANJOS SOBRE O RECÔNCAVO II, 1999, mista s/ tela, 110X105 cm


Minha querida Patrizia,

prescindiremos de apresentações? A fronha
de meu travesseiro está rasgada e contém
sinais da saliva que escorria de minha boca.
Decerto, uma euforia absurda, à toa, por um triz
uma não-região de sonhos onde
a metamorfose transfigura o incêndio da agonia.
Não posso deixar mais sangrar de mim
porque dói. Nada de ficar reinventando
os panos, tanger os pássaros
do meu rosto, onde
não existe salvação, talvez nunca tenha existido.
De repente isto não é uma loucura.
As pedras absurdas, os paraísos
absurdos. Patrizia iriar-se
toda e a cabeleira nessa tarde engolida (ouço
de longe Beto Guedes com paisagem da janela!)
Eu vou ser eterno vestido de nada. Um beijo
irado, como ícone. Introspecção até o limite
contido no final de tudo. Posso tolerar
o pouso cínico dos pombos, a argila florescente
que modelamos nossas angústias.
Volto a medir o tempo desta música sinistra
comportada em mim
através do conteúdo
intranquilo do não-desejo, consumido.
O meu sonho não dura mais que nada.
Esgotou-se em mim toda a imensidão, todas as
ciladas do sumiço. Fatal estar vivo é. As coisas
rapidamente fazem-me despir abismos
para fora de minha própria ausência. Agora
é a hora do cristal.
Desculpe minha insígnia felina, indecente.
Não pouparei um relâmpago qualquer. Nossas
mentes desagregam-se em velocidades
satânicas. Você Patrizia, acredita
em céu-inferno? Tragos varando lado-a-lado
teu escuro hálito.
Tenho roubado demais o que há de mais
escondido atrás das janelas de tua alma-nua.
Sim, o espelho é uma anestesia de silêncios,
flores amarelas. Provarei teus demônios,
démarches necessárias para se esvaziar
depressa a desconfiança que as horas
nos jogam.
Puzzle, um punhado de obstinada
adivinhação. Contradições insólitas.
Estou desacostumado a não cozer as fomes.
Desatino, inquestionável apagar a superfície
de nossas ações? Uma desatada abertura
de veia no escuro,
o vício de pesadelos cada vez
semoventes, os subterrâneos ocultos.
Arranco estrelas, afogo-me nelas, deixo-me
à tona, arrasado, assemelho-me ao caos,
e saio violentamente desta
transparência macia,
náusea de gato...
É tão profundo amar você Patrizia, a grama
v... Sempre gostamos de viajar como um vidro:
íntima fundura sem causalidade alguma. Meu
espírito é uma nuvem, persigo ardosamente
o céu engravida-me, sou tão feliz.
É maravilhoso aquecer-me em teu
sorriso Patrizia
(orquídea grávida sem destino).
Ontem mesmo li nas pulsações de Clarice que
viver é uma espécie de loucura que a morte
faz.
Beijos,
teu Sinho.

Nelson Magalhães Filho

Nenhum comentário: